segunda-feira, maio 07, 2018






















Anotei as palavras
Que disseste
Serem nossas,
Protegidas que foram
Da escuridão,
Numa lamparina
Alimentada por pétalas
E grinaldas de fogo.

Para quê?

Tudo se consome
No tempo
E com o tempo
Nem as pétalas
Resistem
Ao hábito


Manuel F. C. Almeida

terça-feira, fevereiro 27, 2018






















O cantor agitava-se como uma árvore ao vento
Deambulava como um vagabundo por entre
As almas de quem, maravilhado, o ouvia.
Duas garotas soltavam os seios e os anseios
À medida que sorriam por entre galhos e poemas
O suor colava o pó aos corpos e a pele brilhava
Como só brilha a pele de gente feliz.
Dançavam como loucas e os ventres moviam-se
Ao som ritmado dos instrumentos e da voz
A noite transforma as pessoas em gigantes de sombra
E as luzes do palco tornam o olhar sempre belo
Cheirei-lhe o cabelo quando dançaram perto de mim
Eram sedutoras e sabiam isso, e eu estava ali parado
Enfeitiçado pelos corpos e pela música,
Inebriado pelo cheiro daquelas fêmeas ainda jovens
De seios soltos e firmes.
Foi então que me dei conta de que para tipos de 50 anos
A liberdade dos jovens é uma recordação feliz.


Manuel F. C. Almeida

sexta-feira, fevereiro 16, 2018





Todo o caminho é sinuoso
Nada da vida é linear
Em tudo o que fazes
Encontras escolhas
Cruzamentos cegos
Sem Luzes a iluminar
E fazes a escolha certa
Para aquele momento
Certo que é aquele
O trilho a trilhar
E vais caminhando
Pé ante pé
E tudo muda ao teu olhar
Até o caminho que
Tinhas certo
É agora um outro lugar
É esta hora de voltar a escolher
Outro caminho para trilhar
Engalanar o passado
Com orquídeas e rosas
E renovar a vida
Para a celebrar.


Manuel F. C. Almeida

terça-feira, fevereiro 06, 2018















Desenhar palavras com o silêncio
De quem se olha no olhar dos outros.
Tudo parece simples quando
Tudo parece nosso,
E quem passa nas ruas
Espelha-se no mundo
Quando o tempo pára,
No receio de quem vive
Sem viver em pleno.
Longe de nós o saber já dado.
Sejamos eternamente
Ignorantes
E deixemos que o espanto
Nos guie a mão, a escrita e o olhar


Manuel F. C. Almeida.

quinta-feira, janeiro 25, 2018
















Dei de mim
Espírito e corpo.
Em todas as telas
De amores.

Em explosões
De mil odores
Escrevi cantos
De alegria.

Com sabor a mar
E cheiro a maresia.

Manuel F. C. Almeida



terça-feira, janeiro 16, 2018




















Na dor nasce a palavra
Sem som e sem passado
Livre, solta, sem amarras
Na angústia destes tempos
Onde o riso se esqueceu
Que viveu aqui
A meu lado.


Manuel F. C. Almeida

sexta-feira, janeiro 05, 2018


















Sou filho das ondas
E é nas marés
Que me podes encontrar.
Naquele momento em
Que me desfaço nas areais
E te encontro os pés
E as coxas nuas;
E te enlaço numa dança
Em segredo
Onde os nossos corpos
Se chocam e se encontram,
Se beijam e se amam,
Como se não houvera
Amanhã.
Sou filho das ondas
Amante das águas
Porque só nelas
Me multiplico
E amo livremente.

Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, dezembro 27, 2017
















Porque teimam em apontar
Caminhos
E dizer que tudo tem um
Sentido
Quando aos meus olhos tudo
É vazio
E apenas o tempo lhes trás
Harmonia
E nem assim é possível fugir
À incerteza
Dos dias previsíveis e frios
De uma existência
Por acaso.

Só ao recordar encontro
Um sentido caótico,
Um vórtice que tudo suga,
As mulheres que passaram,
Os amigos que partiram,
Os familiares que se foram.
E resta-me arrumar o presente
Numa caixa onde a vida
Se ausenta
E me rendo à inevitabilidade
Da morte
Talvez o único sentido da vida.


Manuel F. C. Almeida

quinta-feira, dezembro 21, 2017
















No ocaso dos dias, caminho só
Em direcção ao futuro.
Ali sei que tudo ou nada
Pode acontecer
E é então que me sento
Num lugar qualquer
E Fico desperto ao passar
Das horas e das coisas
Para as cantar e descrever.


Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, dezembro 13, 2017














Não és tu, nem eu
Não é só um relâmpago
É apenas tempo e ser

Não é a corrente do mar
Nem o barco à deriva
É apenas viver

Não é o cansaço
Nem as palavras gastas
É o adormecer

Não é o partir
Nem o chegar
É o acontecer

Não é nada e é tudo
Na equação por
resolver.


Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, dezembro 06, 2017


















As palavras já se gastaram
As flores de mel já morreram.
A vida é apenas parte
Da soma de momentos,
Estilhaços de um todo
Ou de um sonho acordado;
Fragmentos da memória
Perdida no tempo,
Impressa na história.
E as palavras gastas
Jazem nas pétalas
Sopradas ao vento….



Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, novembro 22, 2017

















O cheiro da idade tomou-me
Os sentidos
Percorri contigo velhos
Trilhos
De pés nus e coração
Descarnado
Agora o tempo traz consigo
O som das pedras rolantes
Que se esgueiram
Em nós.



Manuel F. C. Almeida

quinta-feira, novembro 16, 2017


















Espero que a noite me venha visitar quando
Estiver só, e os meus passos se ouvirem
Nas sombras que no crepúsculo se erguem,
Como um murmúrio do tempo,
Que teima em parar as estrelas no olhar
E me trás o sabor de todos os corpos
Que amei.


Manuel F. C. Almeida

terça-feira, novembro 07, 2017

















Nos meus dias há um trilho
Que começa no corpo
Que se oferece ao prazer.
Um trilho nu,
Onde as arvores e as plantas
Florescem nos olhares
Que se cruzam,
Nos dedos que se tocam,
Nos cabelos soltos ao vento,
Nos seios que se erguem aos céus
E no ventre que dá frutos
Com sabor a ternura
Nos meus dias há um trilho
De diamantes e esmeraldas
Que percorre corpos
Imaginários
E jamais se detém num nome.

Nos meus dias só a liberdade
É existência.


Manuel F. C. Almeida

quinta-feira, novembro 02, 2017


















É do espanto que me alimento
E só nele eu vivo em pleno
Tudo o mais é tédio, hábito
Roupagem social e aparência
E eu posso vestir esse fato
Meses ou anos a fio
Até ao dia em que farto,
De a mim mesmo violentar.
Acabo por partir as amarras,
E procurar outros mares
Onde as ondas sejam leito pra sonhar
E os ventos me permitam voar.



Manuel F. C. Almeida