quarta-feira, Julho 23, 2014


















Guardo no segredo dos dedos
A ternura que me deixaste pintar
No silêncio do deserto
Na distância do olhar

E na nostalgia dos tempos
Esculpida em mil em segredos
Guardo o canto dos ventos
E a face de todos os medos

E sempre neste silencio
Nesta angustia enfeitiçada
Olho a tua face na lua…pintada

E quando despido de mim
E sem telas pra pintar
Fico só com a memória…do teu beijar


Manuel F. C. Almeida

quinta-feira, Julho 17, 2014





















Só o cantar das aves
O sol da madrugada
E o espelho das águas
Me devolvem
A frescura do teu corpo
Tomado
Entre tempos
E dias sem fim.

Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, Julho 09, 2014

















Olhar nas águas paradas
Um reflexo de luar
Uma gota que se solta da face
Pequenas ondas de mar
O caminho desbravado
E encontro a caminhar
Nesse enlaçar apertado
De um tempo sem lugar.

E bebemos nos lábios do outro

O desejo a desertar.

Manuel F. C. Almeida

sábado, Julho 05, 2014












A PARTIR DE ALLAN PARKER

Toco-te ao amanhecer
No silêncio de um olhar
Nos lábios onde se pinta
O sonho
E se bebe a eternidade
De um universo criado
Nas asas da liberdade.



 Manuel F. C. Almeida.

domingo, Junho 29, 2014











Decifrar o corpo
Devorar o medo.
É esse o trabalho
Do tempo

Aos homens
Resta  ser
A fragrância
Consumida
No acontecer.



Manuel F. C. Almeida

segunda-feira, Junho 16, 2014





















E ainda assim
Dizemos que amamos
E soltamos suspiros.
Olhamos o tecto
E acendemos cigarros.
Lavamos os sexos
E os dentes
Vestimos roupas
E saímos rua fora
Como se o que de
Mais belo a vida tem
Fosse motivo
De culpa.

Manuel F. C. Almeida

quinta-feira, Junho 05, 2014

















Guardado no peito
Trago comigo o som
Triste das ondas e das marés
O silêncio de oiro
Dos barcos na maré-alta
E um olhar que um dia
Foi perdido
Por entre a violência das ondas
E o naufrágio
De acontecer

Guardado no peito
Trago os segredos
Do meu viver


Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, Maio 28, 2014




















E um dilúvio derramou-se
No meu tempo de vida
Sou o verdadeiro canibal
Da minha existência

Abri chagas nos olhos
Do tamanho dos corações
Que tomei nas mãos

Cego, cheguei à fronteira
Que separa um rio de outro rio
E tacteei as margens suavemente

Mas só nas águas e na corrente
Senti o aveludar de mil corpos
E assim deixei-me escorregar
Nas águas cálidas dos ventres em chama.



Manuel F. C. Almeida

domingo, Maio 18, 2014

















A imagem
No espelho,
A máscara
Da ilusão,
O segredo
Do labirinto:
 A Paixão.

A verdade
Sem pudor,
Despida,
Nua,
O espelho
Que questiona
A realidade:
A vida
Em carne
Tua.

Manuel F. C. Almeida

sexta-feira, Maio 09, 2014




















Cruzei-me esta manhã com a morte
Estava parada à minha esquina
Pediu-me boleia mas não lhe dei
Porque não tinha a barba feita
E cheirava a sexo. Não dou boleias
Quando cheiro a sexo.
Para a compensar pisquei-lhe o olho
Ela encolheu os ombros.
E acenou-me com os dedos
Descarnados.
Não gostei do gesto
E espetei-lhe o dedo do meio
-toma lá grande vaca.
Sorri, gosto de sorrir pela manhã



Manuel F. C. Almeida







terça-feira, Maio 06, 2014















 Ficas com as palavras presas
Na angustia das manhãs
No silencio da revolta
Que te trás as mãos acesas.
E Alguém ali a teu lado
Num futuro sem futuro
Grita desesperado
- Nada vejo tudo está escuro!

E tu com as mãos atadas
No silencio do teu ser
Palavras amordaçadas
Já te deixaste vencer?

E se soltares essa raiva
Junto com muitos amigos
Vais descobrir a esperança
Vais derrotar inimigos
E no olhar de quem passa
Vai renascer a vontade
De lutar todos os dias
Pela vida em liberdade.

Manuel F. C. Almeida

domingo, Abril 27, 2014




















Quando desperto acordo
Comigo os fantasmas
Da terra
 E o silêncio
Que repousa no olhar
De louco que teima
Em habitar o corpo
Que me acompanha
Solta um grito de raiva
E de lamento,
E só a voz da adiada
Da existência
Me volta a adormecer.


Manuel F. C. Almeida

sexta-feira, Abril 18, 2014





















Encontrei a terra, o ar, a água e o fogo
E o mistério da vida a resolver
Nos meus olhos brilhavam a chamas
Da terra a arder
A minha imagem revelou-se nas águas
Que tomei nas mãos para beber
O  ar encheu-me os pulmões
E deu-me asas pra crescer
A terra era o meu corpo
Sem o saber.

Somados os elementos
Resulta vida a florescer

Manuel F. C. Almeida

sexta-feira, Abril 11, 2014



















Todos temos um local onde
Morar
As ruelas ficam escuras de tanto
Andar
E nunca sabemos o que podemos
Esperar
Um sinal
Uma luz
Uma estrada
Por desbravar
Talvez apenas o tédio
De parecer estar
Sem nunca estar
A vida é breve e sabemos
Que no mundo há sempre
Um local para sonhar
Por mim esperarei…

Até o reencontrar.



Manuel F. C. Almeida

sábado, Abril 05, 2014



Percorri todos os cantos desse corpo
Em momentos que se perdem no esquecimento.
Entre o olhar e a distância,
A noite é filha do vento.
Fecho os olhos, e ali estás.
Adormeço só, num sono lento,
E quando chegas nem a mão estendes
Sou apenas só, um teu qualquer momento

Percorri todos os cantos desse corpo
Perdido que fui algures no tempo.


Manuel F. C. Almeida