sexta-feira, Abril 11, 2014



















Todos temos um local onde
Morar
As ruelas ficam escuras de tanto
Andar
E nunca sabemos o que podemos
Esperar
Um sinal
Uma luz
Uma estrada
Por desbravar
Talvez apenas o tédio
De parecer estar
Sem nunca estar
A vida é breve e sabemos
Que no mundo há sempre
Um local para sonhar
Por mim esperarei…

Até o reencontrar.



Manuel F. C. Almeida

sábado, Abril 05, 2014



Percorri todos os cantos desse corpo
Em momentos que se perdem no esquecimento.
Entre o olhar e a distância,
A noite é filha do vento.
Fecho os olhos, e ali estás.
Adormeço só, num sono lento,
E quando chegas nem a mão estendes
Sou apenas só, um teu qualquer momento

Percorri todos os cantos desse corpo
Perdido que fui algures no tempo.


Manuel F. C. Almeida



domingo, Março 30, 2014

















E o espelho fez-se névoa
E o dia fez-se ontem.
Nas minhas mãos
O palpitar do teu corpo
Queimava-me os dedos
E incendiava o olhar

Toda a existência é difusa
Todo o tempo confusão
Mas nas minhas mãos
O teu corpo ganha formas
E até com os dedos em chama
Desenho no ar um poema


Manuel F. C. Almeida

segunda-feira, Março 24, 2014














Os amantes vivem
No brilho do olhar
E no silêncio
De uma estrela
Que dá luz  
Ao verbo amar



Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, Março 19, 2014
















( feito a partir da musica, Não da letra, " o cio da terra"  Milton Nascimento e Chico Buarque .



No calor do estio,
Recordar o inverno
Frio.
Entregar o corpo
Ao sol do
Verão…

E erguer ao alto
A mão.

Na tela pintar,
O sonho de viver
A cantar.
Ler o poema
Parido na
Dor…

Colori-lo de
Amor

Parar o olhar,
Num corpo de mulher
A dançar.
Dança de ventre
Com cio de
Querer…

Um momento

Qualquer.


Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, Março 12, 2014





















Suave é o gosto
Do teu corpo.
Ostra que envolve
O falo
Quando os corpos
Se entregam
Em segredo,
Eu calo
A voragem do desejo,
Como dia que se abre
Na neblina
Da madrugada.


Manuel F. C. Almeida

sexta-feira, Março 07, 2014

(pintura Salvador Dali)

"Resurrection of the Flesh"




















Nesta estrada
Desenhada no centro da alma
Caminho como um louco
E nem o som dos meus passos
Se ouve
No âmago do meu ser
Irrompem vulcões
E a lava estende-se
Como um tapete
De silêncios
E corpos amalgamados
Pelo tempo
E sigo o caminho
Porque o tempo não
Se pode apagar
E ao longe há um monte
De corpos destroçados
Pela ilusória imagem
De futuro.


Manuel F. C. Almeida

sábado, Março 01, 2014















Passa o tempo e outro tempo

Vai passando.

Faz-se do sonho

Um engano,

No tempo que a gente tem.

Dia a dia vai

Passando,

O tempo que nunca

Se alcança,

Ficam apenas na

Lembrança

Os dias em que o viver

Nunca deixava que tempo

Passasse sempre a correr.



Manuel Almeida

sexta-feira, Fevereiro 21, 2014



















Nunca escrevo poemas de despedida
Porque todos os poemas são lugares
De chegada e de partida
Lamentos de almas que se quedam sós
Palavras e rimas que desatam
Nós
Nunca escrevo poemas de despedida
Porque as palavras nunca dançam sozinhas
E porque as frases são espelhos de vida
Retratos fixados nas linhas do tempo
Momentos parados, gritos de
Lamento

Nunca escrevo poemas de despedida
Mas todos os dias, desenho em poemas
O caminho, ignorado, da inevitável partida.



Manuel F. C. Almeida

terça-feira, Fevereiro 18, 2014





















Nunca da ave arranques penas
Porque as penas são o voo
E o voo é sempre o que resta
A quem não cumpre o destino
E entende que a vida é um
Um poema de escolha livre.

Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, Fevereiro 12, 2014














Na mesa, o lugar
Do afeto e do prazer
O teu corpo encantado
Ergue-se numa dança
Imortal,
Há séculos repetida
Na solidão do pensar
E no engano da partilha.
Eu assisto ao festim
Do teu corpo
E quando me tomas
Sou apenas a folha
Que um vento te trouxe,
Um perfume na vida
Que abandonas
Quando os tambores
Se calam.
E o teu ventre se cobre
Em mil espasmos.


Manuel F. C. Almeida

terça-feira, Fevereiro 04, 2014






















Ditamos palavras aos outros
Reflexões sobre reflexões
Obscuras ideias da vontade
Estilhaçadas em mil faces
E mil corpos
Que reluzem na luxúria
Do pensar e do sonhar

Num encontro cósmico
Belo e de sentimentais
Desejos egoístas.


Manuel F. C. Almeida

quarta-feira, Janeiro 29, 2014





















Cruzei-me esta manhã com a morte
Estava parada à minha esquina
Pediu-me boleia mas não lhe dei
Porque não tinha a barba feita
E cheirava a sexo. Não dou boleias
Quando cheiro a sexo.
Para a compensar pisquei-lhe o olho
Ela encolheu os ombros.
E acenou-me com os dedos
Descarnados.
Não gostei do gesto
E espetei-lhe o dedo do meio
-toma lá grande vaca.
Sorri, gosto de sorrir pela manhã




Manuel F. C. Almeida

sexta-feira, Janeiro 24, 2014





















Ofertei o que sou aos deuses,
Mas não aceitaram.
Escrevi mil cartas de amor,
Que nunca leram.
Esventrei as palavras em poemas
Nunca lidos

Resta-me o sol, o mar
E o canto das aves para
Acreditar que estou vivo.


Manuel F. C. Almeida

quinta-feira, Janeiro 16, 2014

Follow my blog with Bloglovin
















Nunca chores um amor que partiu
Porque outros amores irão surgir
E se alguém de ti fugiu
Outro alguém te fará sorrir

Viver é um encandear de acasos,
Um enfrentar de esquinas ao virar
Uma surpresa em todos os passos
Que damos neste caminhar

Por isso não chores o passado
São só pétalas de eternidade,
Faz da vida um poema, um fado
E abraça sempre a liberdade.


Manuel F. C. Almeida