quarta-feira, julho 01, 2009





Miragem













De corpo em corpo fui navegando
Na solidão que me marca a vida
Iludiu-me o cheiro, o corpo e o canto
A todas as sombras chamei “minha querida”

E de amor em amor fui naufragando
Recomeçando sempre a minha viajem
Mas de amor em amor eu fui encontrando
A lição que o “amor” é talvez só passagem.

Manuel F.C. Almeida


foto chacal

4 comentários:

o Nosso cAstelo disse...

parece q sim...q o amor é passagem, e rara permanencia...

Ana Camarra disse...

O Amor é eterno, o objecto é que muda!

beijo

Graça disse...

Já há uns tempos que não passava aqui...

continuas a escrever magníficos poemas.

Beijo meu e bom fim de semana

Paula Raposo disse...

Concordo. É só uma passagem.