segunda-feira, fevereiro 27, 2012





















Há sempre um amanhã
Que nos consome
E se consome no tempo.
As memórias apontam-nos
Caminhos dispersos.
Não há nascente ou poente.
Perde-se o senso e o caminho
Na cegueira de um silencio oco.
Já não resta nada para lá
Do hábito inerte do conformismo.
Os desenhos feitos com esperança
Tornam-se notas breves de uma
Sinfonia inaudível e é nelas
Que prendemos o que resta nós,
E da sombra do que fomos.

Manuel F. C. Almeida

2 comentários:

Ana disse...

A luta de que tanto falo.. Devemo-nos entregar ao conformismo - pelo comodismo que nos proporciona - ou devemo-nos agarrar aos "desenhos feitos com esperança" e lutar pela sua realização?

sagher disse...

Ana, uma eterna questão que cabe a cada um encontrar a sua resposta