quarta-feira, janeiro 04, 2012





















Já não sou quem um dia fui
Tudo muda quando evolui
E eu fui mudando
Com o vento que me secou a pele
E me apunhalou a inocência.

Manuel F. C. Almeida

2 comentários:

Arroba disse...

Confesso que não venho aqui tanto como gostaria. Vou em 2012 ser uma leitora mais assídua, até porque quando o leio sinto verdadeiro prazer no que escreve. Bom ano de 2012!!!
Espero igualmente a sua visita.
Abraços poéticos

Rute disse...

...já ninguém é o que um dia foi, a mudança da pele várias vezes durante a vida, é uma inevitabilidade...

Poema lúcido e profundo, como sempre