quarta-feira, maio 25, 2011








Leonard Coehn
inspirou este poema
(Like a Bird on the wire)





Porque sou o que não quero
E o que quero não posso ser
Vivo sempre num desespero
Entre o ser e o não ser.

E o ser que na verdade
Está refém dentro de mim
Anseia pela liberdade
Com mirra, incenso, jasmim.

Mas só a minha vontade
Irá decidir o momento
Em que abraço a liberdade
E agarro uma asa de vento.

Manuel F.C. Almeida

1 comentário:

Rosa do Adro disse...

Somos uns cobardes... cobaias do Livre Arbitrio e do "moralmente" correcto. A opinião alheia é dominadora da nossa vontade.

Gostei do poema ;)