terça-feira, dezembro 21, 2010
















Cortámos o segredo


para além dos espelhos


e descobrimos os lugares


proibidos na alma,


junto a um velho rio


esquecido.


Nas margens prenhes


de imutáveis paisagens


esquecidas


Só o eco do teu corpo


me acorda deste sonho.








Manuel F.C. Almeida





foto: luis miguel inês

1 comentário:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Se não acordasse, imagino o que sairia das margens prenhes. Belo poema!
Certa vez, desta vez, você foi ao meu blog desejar-me longa e boa vida. Já faz 1 ano e alguns meses. Teve esta duração e sua qualidade não foi ruim, embora pudesse ter sido melhor.
Hoje, como votos de Boas Festas, eu lhe desejo o mesmo, a si e aos seus: Longa e boa vida.
Renata Cordeiro