terça-feira, outubro 17, 2006

PARIS TEXAS É JÁ AQUI


Era uma vez um homem.

Era uma vez um homem, um amigo meu, talvez o meu melhor amigo. Mas isso não importa para a história que vos quero contar.
O meu amigo chegou à minha terra faz anos. Recordo ainda a forma discreta como chegou, a timidez de que dava ares e a simpatia com que acolhia os sorrisos de outras pessoas. Pelo que consta vinha a fugir de um grande amor, lambia as feridas, como diz o povo. Cedo demais viu-se numa situação de saúde estranha e original. Amava a vida como nunca vi ninguém. Cavalheiro quanto baste nunca fez da sua vida em comum um lugar desagradável, apenas vivia pouco feliz, acho eu. Mas o filho e o comodismo tinham-no manietado. Soube anos depois que ele já tinha decidido que partir daquele lugar. Mas acredito que o fez em resultado de um amor enorme que começou a viver. Aconteceu que essa pessoa se encontrava livre e de repente o meu amigo deixa tudo e parte à conquista de um sonho de felicidade. Como podem ver uma história banal nada de transcendente. Mas há mais. No meio dessa luta que foi conquistar alguém ( agora que conheço bem a história acho que ele foi apenas uma muleta, e o pobre coitado sempre acreditou ser especial quando foi apenas mais um, vaidades masculinas que as mulheres alimentam) aconteceram ameaças físicas, verbais, mas acima de tudo aconteceu uma entrega total por parte dele. Nunca tal tinha feito nem nunca tal tinha sentido. Cego pela paixão, viveu ano e meio entregue nas mãos de Cupido. Mas como todas as histórias reais também esta é sobre o quão estranho é ser-se humano. Pelo que ele me contava e as pessoas com quem a companheira dele falava, ele era para ela o ser mais meigo e carinhoso que algum dia tinha encontrado.
Começaram a construir mundos nas conversas, mundos nos quais ele se imaginava, pobre tolo, a envelhecer junto a ela. Afinal entre eles tudo era perfeito. Do sexo ao prazer em estar acompanhado, tudo funcionava bem. Tudo digo eu, algo deveria não ser assim tão bom, pelo menos para ela. As coisas começaram devagar, mas a perspicácia dele e a maldade humana alertaram-no para uma realidade que se desenvolvia debaixo dos seus olhos, mas que ele teimava em não ver. Aquela que dizia que ele era insuperável apaixonou-se por outra pessoa. Incapaz de ser sincera, começou os jogos que acontecem nestas alturas. Mas ele descobriu, tal como disse por intuição e por maldade humana. Suportou uma primeira crise na qual ela lhe disse que lhe começaram a surgir duvidas sobre a relação que mantinham, e que inevitavelmente teria de lhe dar um tempo. Nem a amizade, nem a sinceridade que ele pôs na relação durante tanto tempo foram úteis. Sei que ainda assim estava disposto a tentar mais uma vez, a recomeçar lentamente a construção parcialmente arruinada. Mas era demais. Pedir tempo a alguém depois de uma relação perfeita (na boca de ambos) de ano e meio é o mesmo que colocar um preso condenado á morte no corredor da mesma. A esperança do indulto nunca acaba, mas no fim a injecção acaba por acontecer e esperou-se tempo demais. Segundo o que me contou apresentou-lhe um ultimato, sabendio de antemão que ela não necessitava de tempo nenhum, ela já tinha decidido. Acabou um amor de ano e meio, acabou com o sonho do meu amigo pelo telemóvel, nao foi capaz de o olhar nos olhos. Não sabendo entretanto que aquele por quem o trocou não tinha a mais pequena ponta de interesse nela. Que era apenas um amigo de longa data. Quando o meu amigo acabou de me contar tudo isto, perguntei-lhe se podia publicar. Não que fosse uma história importante, mas exactamente pelo facto de ser banal achei que deveria ser conhecida. Afinal ele sempre se tinha defendido, menos desta vez. Infelizmente aquele homem ja nao existe. Partiu sem rumo( qual travis) certo á procura de si mesmo e dos cacos que lhe pertencem. Quanto á sua amada, bom penso que ainda iremos ouvir falar nela entretanto anda por ai. Feliz como sempre, ( agora inda mais afinal sarou as suas feridas e desfez-se das muletas) consta-se que colecciona almas mas pouco mais sei sobre ela. É uma pessoa estranha. Ele descrevia uma Senhora, dava-lhe até atributos de deusa. Mas cá para mim as deusas estão mortas e as senhoras, bom essas sabem sempre enganar os incautos.

5 comentários:

Anónimo disse...

Irei comentar esta historia de amor noutro momento...porque agora estou ainda aturdido...como alguém que nem quer acreditar...porque há uma tristeza que lhe invade a alma...porque afinal ele é amigo do amigo...

Anónimo disse...

Acredita que as Deusas não estão mortas ... basta "olhares com olhos de ver"

Anónimo disse...

Acredita que as Deusas não estão mortas ... basta "olhares com olhos de ver"

Vozdosilencio disse...

A vida é uma biblioteca onde guardamos nossas páginas, umas escritas com lápis de cor, outras com grafite cinza e sem vida...
de vez enquando é bom voltar lá e ler esses textos que ajudam a rever posições e tomar novos rumos...

sagher disse...

obrigado por me recordar disso. por vezes os entimentos nao permitem ver o mundo com a clareza necessaria.